Matemática

Chaves para que os teus filhos desfrutem aprendendo matemática

Jan 2022
É fundamental que os alunos da primária se apaixonem pela matemática
É fundamental que os alunos da primária se apaixonem pela matemática.

O 73% dos alunos do ensino secundário afirmam ter dificuldade em compreender a matéria e por isso é fundamental que se apaixonem pela matemática ainda no ensino básico. O que podemos fazer para o conseguir? Neste artigo, oferecemos algumas chaves para que os seus filhos gostem de aprender matemática.

Andrés Pedreño, reconhecido professor de Economia Aplicada e cofundador da IT&IS, 1Millonbot e Torre Juana OST, afirma que mais de um milhão de empregos nos perfis STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) serão criados nos próximos quatro anos. No entanto, uma em cada quatro empresas tem dificuldade em encontrar perfis profissionais relacionados com a matemática, apesar de serem os empregos mais procurados.

Todas as crianças podem gostar de aprender matemática e desenvolver as suas habilidades nesta disciplina maravilhosa e útil, desde que se sintam seguras e enfrentem os desafios adequados à sua situação particular de aprendizagem. Vejamos o exemplo de um aluno Kumon do segundo ano do pré-escolar que foi tentado por outro aluno do segundo ano da primária a trocar uma carta Pokémon. O nosso aluno não aceitou a troca porque observou que o seu cromo era melhor, pois tinha melhores números de ataque e saúde. Como podemos ver, desde tenra idade, os nossos filhos podem começar a desenvolver uma mente matemática e nutri-la para o futuro.

O que fazer para que os seus filhos gostem de aprender matemática? Mostramos as chaves para o conseguir:


1. Aprender é espetacular

Todos gostamos de aprender naturalmente, mas não devemos confundir com estudar ou trabalhar. Embora a relutância em fazer um esforço seja comum, gostamos de aproveitar o fruto desse esforço: a aprendizagem. Por exemplo, temos preguiça de ir à escola, mas depois da aula acabar, mesmo que fiquemos exaustos, saímos mais motivados e com um sentimento de satisfação; o mesmo acontece com os nossos filhos quando gostam de aprender matemática.

2. Pensar em desafios adequados

As crianças gostam de aprender, sempre que lhes seja proporcionado o contexto e os desafios adequados. Se estes não forem adequados para a sua situação de aprendizagem, será difícil para elas estarem concentradas. Portanto, é importante consciente dos seus pontos fortes, oportunidades, conhecimentos, habilidades e atitudes. Para isso, aconselhamos que reúnam com o seu professor e tentem conhecer esses dados. Os desafios não são bons nem maus, mas apropriados ou inadequados para uma criança em particular num determinado ponto do seu desenvolvimento.

3. Perder o medo dos testes

Lembrem-se de que todo o sucesso é uma oportunidade de elogiar e todo o erro é uma oportunidade de aprender. Devemos evitar que os testes e os exames se tornem num julgamento de inteligência e valor, além de transmitir mensagens negativas a respeito. Por exemplo, se o seu filho tirou uma nota alta e lhe disserem "és muito inteligente!", Ele entenderá que é inteligente por ter obtido aquela nota, e essa é uma interpretação negativa. Por outro lado, se lhe disserem “tiveste essa nota porque te esforçaste muito. Parabéns pelo teu esforço! O esforço vale a pena! " ele irá receber esse reforço positivo para que, se ele falhar, pense que deve esforçar-se um pouco mais. Cada exame deve ser mais uma experiência de aprendizagem. O que significa obter uma má nota? Bem, várias oportunidades de elogiar e de aprender. Todas as crianças devem sair dos testes e exames mais fortes.

4. Praticar um pouco cada día

Não existe um método milagroso para gostar de aprender matemática, mas todas as crianças podem alcançar bons resultados se, além de apresentarem desafios apropriados, praticarem o suficiente todos os dias. Por exemplo, ir para uma aula de natação avançada ainda com um nível básico de prática significa esgotar-se rapidamente, sentir-se deslocado e duvidar das suas próprias habilidades. Isso não significa que a pessoa seja péssima nadadora, mas simplesmente que está na aula errada.

5. Adequar o material e os recursos didáticos

Para que o seu filho tenha prazer em aprender matemática, os materiais e os recursos didáticos devem ser adequados à sua situação de aprendizagem e devem estar bem sequenciados. Converse com a sua professora para saber a real situação do seu filho. O importante é que o material seja adequado à sua capacidade para que se sintam motivados e possam aprender e ganhar confiança.

6. Planificar

É importante que haja uma planificação das atividades e que o seu filho seja consciente disso para que seja consensual e proporcionado. Se a prática for multiplicada, o progresso é acelerado; se os dias forem desperdiçados nenhum progresso é feito. É uma boa ideia criar um calendário de atividades que inclua também os dias não escolares: nesses dias fica-se menos cansado e pode-se praticar matemática pela manhã para continuar com o resto das atividades ao longo do dia. É bom lembrar o plano de atividades todos os dias até que a rotina seja interiorizada; Por exemplo, pode perguntar ao seu filho se ele se lembra do que vai fazer à tarde.

7. Aprender a aprender

Não devem fazer os trabalhos de casa do seu filho, mas sim deixá-lo resolver as suas dificuldades sozinho. Ensine-o a ver o erro, peça-lhe que leia bem a frase ou encontre outro exercício semelhante que possa usar como modelo. Ofereça esse tipo de apoio para que ele goste de aprender matemática. Além disso, é muito importante elogiar os pequenos detalhes, como elogiar por anotar o trabalho de casa e começar a fazê-lo sozinho.

8. Confiar nos profissionais

Os pais não precisam ser professores ou matemáticos, embora às vezes se possam sentir sobrecarregados. Assim como quando os nossos filhos adoecem vamos ao médico, devemos ser aconselhados por profissionais da educação para que nos ajudem com o material mais adequado para eles.


Desenvolver o potencial de aprendizagem

Todas as crianças gostam de aprender e sentirem-se competentes. Por isso, no Kumon disponibilizamos o material didático e a orientação mais adequada às suas aptidões para que tenham prazer na aprendizagem da matemática, independentemente do ano letivo.

O material é sequenciado e assim ensinamos a perderem o medo do erro, já que trabalhamos proativamente, desenvolvemos o hábito de estudar e a capacidade de concentração para enfrentar com sucesso qualquer matéria e, acima de tudo, promovemos uma atitude autodidata. desde o início.

Incentivamos a que entrem em contato com o centro Kumon mais próximo e experimentem 15 dias grátis em qualquer um dos nossos programas!