Educação

Motivar para aprender: Génios que superam as suas limitações de aprendizagem

Nov 2019
Motivar para aprender e fomentar a cultura de esforço são aspectos indispensáveis para superar problemas de aprendizagem.
Motivar para aprender: Génios que superam as suas limitações de aprendizagem.

«Se tens um sonho, não pares até consegui-lo», devem repetir-se dia a dia estes génios com dificuldades de aprendizagem que superam as suas limitações apesar de que, as crianças, parecem destinados ao fracasso escolar no seu processo de educação infantil. A perspectiva de motivar para aprender foi a chave: que importante é receber uma orientação adequada durante essa etapa!

Não só as grandes personagens da história como Wolfgang A. Mozart, Albert Einstein, Isaac  Newton, Leonardo da Vinci, Alexander Graham Bell, Thomas A. Edison y Henry Ford padeceram de trastornos relacionados com a aprendizaje; também personalidades contemporâneas do mundo da arte, da música, do cinema, da cultura, da ciência e do desporto como Pablo Picasso, John Lennon, Walt Disney, Charles Dickens, Julio Verne, Agatha Christie, Muhammad Ali, Jack Nicholson, Anthony Hopkins, Bill Gates e muitos mais sofreram ou sofrem de Transtorno por défice de atenção com Hiperactividade (TDAH), dislexia, dispraxia ou síndrome de Asperger. 

Motivar para aprender: Histórias de superação

Neste artigo, partilhamos uma seleção de histórias muito actuais nas quais comprovamos que motivar para aprender e fomentar a cultura de esforço é a chave para que estes génios superem os seus problemas de aprendizagem.
 

  • Jamie Oliver, o multimilionário chef britânico

Está considerado como o cozinheiro mais influente de Reino Unido e considera que a sua dislexia é o segredo do seu êxito. Esteve destinado ao fracasso escolar e afirma que a escola tem que ser «um lugar no qual as crianças aprendem a ser boas pessoas, se sintam felizes e consigam confiar em si mesmos e encontrar o seu génio interior». Este é um sábio pensamento que na Kumon partilhamos e praticamos dia a dia.

  • Brynjar Karl Birgisson e o seu Titanic da lego

O islandês tem 15 anos e o seu autismo não lhe supôs uma limitação para construir a maquete do Titanic maior do mundo com peças da lego. Começou este projecto com 10 anos e, ainda que tenha demorado 5 anos em construí-la, já marcou um novo record na história.

  • Daniel Radcliffe, a estrela de Harry Potter

Diagnosticaram-lhe dispraxia desde muito pequeno. Aos 9 anos, a sua mãe motivou-o para apresentar-se a uma audição para uma obra de teatro porque considerou que a actuação o ajudaria a ter confiança em si próprio e não se equivocou. Escrever à mão continua a ser difícil para ele, mas não se rende.

  • Keira Knightley, a estrela de Piratas das Caraíbas

Quando tinha 6 anos diagnosticaram-lhe dislexia, mas isso não a impediu de converter-se numa das actrizes mais conceituadas de Hollywood. A Keira utilizou o seu amor pela actuação para motivar-se a ler e mais tarde começou a praticar a leitura com os guiões cinematográficos.

  • Tom Cruise, actor, productor e director com dislexia

«Tive que habituar-me a concentrar-me. Converti-me numa pessoa muito visual e aprendi a criar images mentais para entender o que lia». Tom era uma criança disléxica e tinha dificuldades para ler, escrever e fazer os deveres escolares, mas a sua estratégia para aprender ajudou-o a superar o problema. Ganhou um Globo de Ouro e foi nomeado ao Óscar como melhor actor.

  • Michael Phelps, nadador com o record de medalhas olímpicas

Tem Trastorno por Défice de Atenção com Hiperactividade (TDAH). «Eu era sempre a criança que corria, não podia ficar quieto», confessou. A sua mãe utilizou o interesse que o Michael tinha pela natação para fomentar a cultura de esforço, ajudando-o a focar-se e a desenvolver o seu potencial.

  • Steven Spielberg, director, productor e guionista

É uma das figuras mais valorizadas do cinema e ganhou prémios internacionais, como o Óscar e Globo de Ouro. Demorou mais dois anos que o resto dos seus companheiros em aprender a ler. «Os meus professores não entendiam porque ia com tanto atraso em relação ao resto da sua aula e com os deveres escolares, como tal falaram com os seus pais». Spielberg viveu sem saber que sofria dislexia até 2007, mas aprendeu a lidar com os seus problemas de forma criativa: «Fazer filmes foi a minha grande via de escape». As diferenças de aprendizagem inspiraram o guião do seu filme Os Goonies (1985). Spielberg referia-se aos seus amigos de infância como «o esquadrão Goon».

  • Bill Gates, fundador de Microsoft

Diagnosticaram-lhe síndrome de Asperger e o criador de uma das empresas mais poderosas do mundo e ganhador da Medalha Nacional de Tecnologia e Inovação em 1992. Hoje em dia é um dos homens mais ricos do mundo segundo a revista Forbes.

  • Whoopi Goldberg, actriz, cómica e ganhadora de um Grammy, um Emmy e um Tony

Tem dislexia e considera que a sua capacidade para pensar diferente a ajudou a ter êxito. Sem dúvida, soube retirar benefícios das suas dificuldades de aprendizagem.

  • Cher, actriz e cantora com dislexia

Vencedora de um Emmy, três Globos de Ouro e quatro Billboard Music, teve muitos problemas de aprendizagem na escola pela sua dislexia não diagnosticada. «Não podia ler o suficientemente rápido para terminar toda a tarefa e a matemática era como tentar entender algo abstracto. A única maneira de poder aprender era a ouvir os professores», confessou na sua autobiografia.

Motivar para aprender: Benefícios de uma orientação adequada

É evidente que muitos professores dos casos apresentados não souberam detectar ou entender o potencial destes alunos geniais e levaram-nos ao fracasso escolar durante o processo de educação infantil. Na Kumon, acreditamos que motivar para aprender e fomentar a cultura do esforço é um aspecto fundamental para alcançar o génio que têm dentro e desenvolver ao máximo o seu potencial com os nossos programas: Kumon Matemática e Kumon English.

Todos os génios têm dificuldades de adaptação e de aprendizagem, mas, se receberem a orientação individualizada adequada, podem desenvolve or seu potencial. Temos muitos casos de alunos que desenvolvem conteúdos três anos por cima do seu nivel escolar de forma autónoma.

Todas as pessoas têm talento e, se ao talento lhe juntarmos regularidade, motivação e força de vontade, convertemo-nos na melhor versão de nós mesmos.

Queres que o teu filho desenvolva o génio que leva dentro dele? Entra em contacto com o teu centro mais próximo.