Educação

Sete pontos chave para educar um bom estudante

Out 2021
Educar um bom estudante é possível se for ensinado a desfrutar da aprendizagem.
Educar um bom estudante é possível se for ensinado a desfrutar da aprendizagem.

Os seus filhos estudam ou aprendem? Em resposta a esta pergunta, Cristina Cabello, educadora, psicóloga clínica e mestre em Psicologia do Desenvolvimento Pessoal com mais de 20 anos de experiência no campo da educação, assegura-nos que "nem todas as crianças gostam de estudar, mas todas elas gostam de aprender". A fim de educar um bom aluno, é essencial assegurar que ele aprecie a aprendizagem e ensiná-lo a aprender de forma independente. Este é o melhor legado que podemos deixar aos nossos filhos num mundo em constante mudança e evolução.

É essencial transmitir aos nossos filhos os valores fundamentais da aprendizagem e não nos basearmos apenas no desempenho escolar. Os processos de aprendizagem vão além do seu próprio desempenho académico e o que precisamos é que sejam capazes de trabalhar no seu mapa mental com a atitude mais apropriada para o processo de desenvolvimento: activos, afectivos, empreendedores, humildes, orgulhosos, pacientes e vitais.

Neste artigo iremos analisar as sete chaves do desempenho académico para assegurar que os nossos filhos adoram aprender e tirar o máximo partido das suas capacidades.


As sete chaves para criar um bom aluno

Toru Kumon, criador do método Kumon, disse que "todas as crianças desejam em si mesmas melhorar as suas capacidades e todas, sem excepção, têm o potencial para o fazer".

A palavra educação vem do latim educere, que significa "conduzir, guiar, orientar", embora também seja possível relacioná-la com a palavra exducere, "trazer o que está de dentro para fora", um significado muito próximo da definição etimológica de "conduzir para fora", e esse é o ponto de partida para educar um bom aluno. Ensina ou deixa-os aprender? "A educação é um processo de crescimento interior no qual o adulto mais capaz guia o aluno e ajuda-o a trazer para fora o que já tem dentro", argumenta Cristina Cabello.

A seguir partilhamos as chaves para ajudar o seu filho a tornar-se um bom aluno:

    1.     Autoconceito académico: Estas são as características que nos definem como estudantes. Desenvolver a auto-estima académica desde a infância é muito importante para educar um bom aluno. Quando as crianças são jovens, acreditam em tudo o que os seus pais lhes dizem. Se acreditam nos Três Reis Magos e na fada dos dentes, porque não ensiná-los a acreditarem em si próprios? A psicóloga e educadora Begoña Ibarrola argumenta que "até aos 6 anos de idade, a auto-estima não é 'auto'. As crianças sentem que valem aquilo que os seus pais e o seu ambiente valorizam": não é a mesma coisa dizer "Estás nervoso" e "Tiveste um Excelente porque és muito inteligente" como "Tens coragem" e "Tiveste um Excelente porque aprendeste muito bem".

       2.  Autoconsciência: Isto está relacionado com a forma como as crianças aprendem. Para educar um bom aluno, devemos ter em conta que nem todas as crianças aprendem da mesma forma: algumas aprendem de forma visual, por exemplo, sublinhando as partes de um texto; outras aprendem de forma auditiva, como estudar em voz alta; e outras aprendem de forma sinestésica, pelo que precisam de se mover para aprender (caminhar ou balançar durante o estudo para satisfazer a necessidade de movimento). Por esta razão, é importante observar a forma como os nossos filhos aprendem e promovê-la em casa.

      3.   Auto-regulação: Cristina Cabello explica que auto-regulação significa ser capaz de estabelecer objectivos e alcançá-los através da motivação e persistência. Para tal, podemos ajudar os nossos filhos a auto-regularem-se através de uma série de passos:

  • Estabelecer objectivos.
  • Ter um plano de trabalho.
  • Experimente uma sensação de realização: "Os nossos filhos não estão habituados a esperar por coisas boas, a atrasar a gratificação. Vamos ensiná-los a esperar pela recompensa, não a fazer coisas apenas pela recompensa imediata", diz Cristina.
  • Usar linguagem positiva: As crianças têm de nomear o que fazem usando linguagem positiva e nós, como pais, devemos também usá-la quando algo não corre bem, pois somos o seu exemplo a seguir. Por exemplo, podemos dizer: "Eu sou capaz disto, preciso de praticar para o conseguir".
  • Adquirir um hábito: Ter horários fixos todos os dias e adquirir um hábito "gera uma inércia que nos torna menos difíceis de estudar".
  • Valorizar o processo: Se, em vez de apontarmos que têm de passar no exame, dissermos antecipadamente aos nossos filhos que o seu objectivo é estudar durante uma hora todos os dias, eles valorizarão o processo de estudo. Não se trata de passar, mas sim de aprender e estudar todos os dias.
     4.    Auto-eficácia:

Isto refere-se às nossas capacidades. Educar um bom aluno é também educar a percepção da sua eficácia e a sua confiança na sua própria capacidade de alcançar os resultados desejados. Para ajudar os nossos filhos a melhorar a sua eficácia durante o estudo, eles devem aprender a fazê-lo:

  • Explore dando uma vista de olhos ao que eles vão enfrentar.
  • Perguntem-se quais são as ideias principais e apontem-nas.
  • Ler atentamente e de forma crítica.
  • Recordar em voz alta recitando nas suas próprias palavras.
  • Rever e reler antes da hora de dormir e antes do exame (com pausas).

Seguir a premissa "Lição atendida, lição revista, lição aprendida". Aprender um pouco todos os dias é a chave porque tentar aprender tudo de uma vez não é aconselhável.

     5.    Auto-avaliação: "Será o meu resultado o correcto, como é que percebo os erros? Ensiná-los a aprender com os erros é muito importante para educar um bom aluno. No Kumon vemos os erros como oportunidades de aprendizagem, e este é o melhor conselho que lhe podemos dar para a aprendizagem dos seus filhos.

     6.    Auto-reforço: "Gosto de aprender, relaciono-o com as minhas experiências, aplico-o? O auto-reforço está relacionada com a nossa forma de aprendizagem (detalhada no ponto 2) e, acima de tudo, com a motivação necessária para o fazer. Como consequência, temos de saber que tipo de motivação tem o nosso filho:

  • Extrínseco à tarefa. A tarefa é o meio para atingir um objectivo e não é motivadora em si mesma: "Não gosto de fazer Kumon, mas é bom para a escola, para manter os meus pais felizes, para receber os autocolantes e comprar algo para mim ou para comprar um presente".
     
  • Intrínseco à tarefa. A actividade é o fim: "Eu gosto de fazer Kumon. Gosto de o fazer.”
     
  • Intrínseco para a pessoa. Atingir o fim produz satisfação pessoal. Mesmo que a tarefa seja difícil, completá-la produz um sentimento de orgulho, competência, realização: "Fui capaz de o fazer".
     
  • Sentido de dever.

Para educar um bom estudante, é muito importante determinar o tipo de motivação que alimenta o seu desejo de aprender ou que pode ajudar a despertá-lo. Lembre-se de que a linguagem motivacional deve ser aplicada ao comportamento, tal como quando elogiamos e repreendemos os nossos filhos. Não devemos aplicá-lo à forma como eles são. Por exemplo, dizer "És mau" não é o mesmo que dizer "Tens sido mau".

     7.    Auto-educação: "Sou eu um aprendiz independente? Inculcar a auto-aprendizagem é extremamente importante na educação de um bom aluno. É definida como "a capacidade de uma pessoa de se conformar consigo própria", ou seja, de ter autonomia para dirigir, controlar, regular e auto-avaliar conscientemente a sua própria forma de aprendizagem. Esta é a sétima das sete chaves para educar um bom aluno e todas elas começam com o prefixo auto-, que significa "por si mesmo". Nesse sentido, os orientadores do Kumon guiam os estudantes ajudando-os a descobrir e desenvolver o seu potencial individual para dar o melhor de si próprios enquanto desfrutam da aprendizagem, porque a sensação de ter conseguido algo para si próprios aumenta o desejo de aprender.


No Kumon dizemos que o aluno é o protagonista da sua aprendizagem porque os orientadores são responsáveis pela sua personalização, ou seja, criam um plano de estudo adaptado a cada aluno e ajudam-no a tornar-se uma pessoa autónoma, incutindo-lhes a mentalidade e as competências da aprendizagem autodidacta.

Se quiser que o seu filho desenvolva estes sete aspectos do desempenho académico com o Método Kumon, não hesite em contactar o seu centro Kumon mais próximo e experimentar qualquer um dos nossos programas gratuitamente durante 15 dias até 31 de Outubro.